Top Ad unit 728 × 90

Destaques

Destaqu

Pesquisa do Creci-GO traça o raio-x dos negócios imobiliários e dos corretores


O Conselho Regional de Corretores de Imóveis de Goiás (Creci-GO) realizou uma ampla pesquisa com os corretores de imóveis com objetivo de traçar o perfil da categoria e dos negócios realizados. O estudo foi feito por amostragem pela empresa de pesquisa Grupom e resultou em um verdadeiro raio-x dos negócios imobiliários realizados em Goiás. Confira as principais conclusões:




Corretores de imóveis movimentaram quase 18 bilhões de reais em 2010 ou 23,49 do PIB Goiano

A pesquisa levantou qual foi a estimativa dos negócios realizados pelos corretores de imóveis em 2010. Todos os entrevistados responderam qual o valor total dos negócios que eles fecharam no ano anterior e, a partir das informações declaradas, chegou-se à média de R$ 1.359.793,39 por profissional.
Considerando que o número de corretores de imóveis ativos em Goiás é de 9.506, conclui-se que os profissionais do mercado imobiliário movimentaram R$ 17.679.195.965,34 em negócios imobilIários. O montante corresponde a 23,49% do Produto Interno Bruto Goiano.

Ganho do corretor de imóveis é maior do que a média do IBGE

Em agosto de 2010, o IBGE divulgou a o rendimento real médio dos trabalhadores brasileiros: R$ 1472,70. Enquanto isto, a pesquisa do Creci-GO apurou a média dos rendimentos dos corretores de imóveis anual: R$ 67.989, 66 ou R$ 5.665,80. Ou seja: quase quatro vezes mais. Razão pela qual a profissão tem atraído pessoas de todas as áreas, que tem abandonado suas carreiras originais para se dedicar às vendas imobiliárias.

Corretores de imóveis do interior ganharam mais do que os da capital

Apesar do maior volume de negócios imobiliários concentrar-se na capital, a pesquisa concluiu que o corretor de imóveis do interior de Goiás ganhou mais dinheiro do que o profissional da capital em 2010.No interior do estado, a média financeira de negócios fechados foi de R$ 1.439 milhão, por corretor de imóveis. Considerando os honorários de 5%, o profissional recebeu R$ 71.950 no ano ou R$ 5.995 por mês.A média foi superior ao ganho dos corretores de imóveis da capital, que negociaram, em 2010, R$ 1.344.108,91 em média. Os honorários decorrentes do volume ficaram em R$ 67.205,44 por ano ou R$ 5.600,45 ao mês.
São fatores que corroboram para a lucratividade dos profissionais do interior:
  • o desenvolvimento de novos pólos, como Anápolis, Rio Verde, Catalão etc, gerando novas demandas imobiliárias;
  • os negócios imobiliárias rurais, que geralmente são de maior valor;
  • menor número de profissionais no interior, fazendo com que o volume de negócios nas mãos de um só profissional sejam maior.
Imóveis populares – cobertura do déficit habitacional está só no começo

Apesar de o Brasil estar vivendo um período de fartura do crédito imobiliário, de incentivos para a aquisição da casa própria (Programa Minha Casa Minha Vida) e de as incorporadoras estarem com a produção voltada para o imóvel econômico, os esforços para zerar o déficit habitacional está só no começo, pois o cliente popular ainda está distante das imobiliárias e escritórios de venda.

  • Somente 9,3% dos corretores de imóveis declararam atender clientes da classe baixa
  • Somente 42,8% dos corretores de imóveis declararam ter comercializado imóveis incluídos no Programa Minha Casa Minha Vida
A maior parte dos negócios imobiliários ainda é voltada para a classe média: 45,9% dos corretores declararam ser este seu cliente trivial.

Corretores de imóveis pretendem mais que dobrar as vendas em 2011

  • 77,8% da categoria tem expectativa de vender mais imóveis neste ano, em comparação com 2010.
  • 69,1% da categoria espera negociar até cinco imóveis por mês.
  • Em média, os corretores declararam ter vendido 3,35 imóveis por mês no ano de 2010 e, neste ano, esperam comercializar 7,70.
Casa é o tipo de imóvel mais comercializado

As casas são o tipo de imóvel que mais faz parte do estoque dos profissionais de venda: 59,5% disseram que trabalham mais este tipo de imóvel; mas não exclusivamente. Em 2011, as casas lideram a lista de 45,9% dos entrevistados como o imóvel que mais se pretende comercializar.

Os apartamentos aparecem em segundo lugar na lista:
  • 56,8% dos entrevistados trabalham com este produto
  • 39,3% das intenções de fechamento de negócios em 2011.
Trabalham exclusivamente com lançamentos: 21,8% dos entrevistados.
  • 36,6% operam apenas com imóveis usados;
  • 41,6% vendem os dois tipos.
Imagem da categoria melhorou

61,1% dos entrevistados acreditam que o corretor de imóveis tem imagem boa ou ótima perante seus clientes.

Mas...
  • 84,8% sentem dificuldades para exercer a profissão. Os três principais fatores enumerados são a concorrência, a ética profissional e o perfil financeiro dos corretores de imóveis.
  • Tais fatores estão ligados à qualificação. Somente 1,6% dos entrevistados disseram que já fizeram cursos e pretendem fazer mais, ou seja, estão abertos para a melhoria contínua
Perfil da categoria

  • 86% dos profissionais entrevistados declararam que ter a profissão de corretor de imóveis como principal fonte de renda.
  • Idade média: 49,72 anos, sendo 71,2% homens.
Pesquisa do Creci-GO traça o raio-x dos negócios imobiliários e dos corretores Reviewed by Mariana Ferronato on 00:26 Rating: 5
All Rights Reserved by Marketing Imobiliário - Marketingimob © 2014 - 2015
Powered By Blogger, Designed by Sweetheme

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.